Artista: Chacal Sniper

Letra da Música Eu sou do Gueto de Chacal Sniper

< Chacal Sniper

Mais uma vez eu escrevi Reli e assisti
Os fatos complicado que abita por aqui
A marcha fúnebre da favela
Por aqui deixa sequela
A navalhar rasga cega
Delata os fatos da cratela
Uma mãe no desespero
Por não ter nada na panela
Na maio parte do Brasil
A parte que hera verde
Ta manchada de sangue
Prow pow pow pow
Em são Paulo
não é um filme
de Bang Bang
é sangue pow
consigo ver em cada olhar
a necessidade de cada um
a dificuldade de respirar
eu não sei
só Deus é quem sabe
o Qual que é deste mundo
o choro de uma criança
Que chora com fome
È um absurdo
Atrás de uma mamadeira
Aos seus 5 de idade
Meleca sua cara no chão da feira
Já levei tapa na cara
Decepção amarga
O fel mastigado
Com ódio e com raiva
As vezes um cara amargo
Com malicia é o necessário
Vocês quer vim pra favela
Vocês quer vim então vem
Aonde tem os cachorros loko
Arma drogas e refém
Tamos aqui na luta por dinheiro e pela vida
Um pai de família sofredor
Que carrega sua marmita
E sua bíblia a estrutura da família
Sempre firmão
To vendo nos olhos do meu irmão
Um aperto no coração
Por não ter a sua moradia própia
Levanta todo dia cedo
Em guerra com o mundão
Carregando o compressor
Garantindo o seu pão
E vai além com sua obra
De arte que é o Grafite
O sangue explode
Jorra da artéria
O pó e a favela
O negro ea miséria
Mais não esquenta mãe
Que um dia nos vai conseguir
Eu quero dar em dobro pra ti
Tudo que a senhora fez por mim
O que eu prometi
ta aqui Cumpri
Eu sei que são varias tretas
Eu só quero paz pra todos
E que só me deixem prosseguir
Refrão
Eu sou do gueto
Vivo no Beco
Subo a ladeira
Resisto a poeira
Hoje é lua cheia
Morros de madeira
Encima da poeira
Quando chove é mó lameira
Eu sou do gueto
Vivo no Beco
Subo a ladeira
Resisto a poeira
Hoje é lua cheia
Morros de madeira
Encima da poeira
Quando chove é mó lameira
Compositor do gueto
O que eu vejo é verdade
Tamanha as crueldades
Esgoto em frente as portas
Ratos nas panelas
Anoite a força cai
Mãe ascendi uma vela
É triste essa capela
Não é o filme da cinderela
É o filme que te entristece
Reze mais uma prece
Pra ver se a fome desaparece
Todos os dias é a sim
Vamos lutar até o fim
Anoite é pipoco
Pra cima pra baixo
Eu vejo tudo isso
E finjo disfarço
O que tem no pó
Da terra junto com a agua da chuva
Misturado em um só
Quando seca vira arte escultura
Queremos estudar
Já temos a cultura
O índio a favela a rua
Olho pra lua e viajo
Sonho com as crianças
Brincando descalço
Sem treta sem sangue então
Junto com o mesmo ódio
Que ferve e vira brasa
É o cheiro de carniça
Misturado com a fumaça
Ao vez de flores
A humildade com a crueldade
No copo de cachaça
Se imbreaga e quebra as taças
Chega em casa e ainda ve
Os pisos de barro as paredes de madeira
Teto com goteira e quando chove é mó lameira
Eu prefiro admirar as estrelas
Refrão
Eu sou do gueto
Vivo no Beco
Subo a ladeira
Resisto a poeira
Hoje é lua cheia
Morros de madeira
Encima da poeira
Quando chove é mó lameira
Eu sou do gueto
Vivo no Beco
Subo a ladeira
Resisto a poeira
Hoje é lua cheia
Morros de madeira
Encima da poeira
Quando chove é mó lameira

Ficha Técnica da Música Eu sou do Gueto

Na tabela abaixo você vai encontrar dados técnicos sobre a letra da música Eu sou do Gueto de Chacal Sniper.

Número de Palavras 481
Número de Letras 3422
Intérprete Chacal Sniper

Análises de Significado da Letra da Música Eu sou do Gueto

Nenhuma análise de significado de letra publicada para esta música.