Artista: OSteve

Letra da Música Máscaras! de OSteve

< OSteve

Quantas máscaras usei?
Quantas tomei, quantas fiz?
Com minhas mãos eu moldei
As grades que prendem-me

Sorriso, falsidade, o remorso, verdade
Gentil? mentira, e a mentira, bondade
Ciclo vicioso criado, inicia e repete ao dobrar de um sino
Indiferença é vacina, contra a doença do próprio instinto

O instinto que busca luxúria é visível
Mesmo tornando-se efêmera
O olhar do humano é tão seco
Não passa de jogo de aparências
O foco sendo a permanência
Da imagem criada na hipocrisia
Não importa quantas cicatrizes eles causam
Só sentem quando é sua ferida

O sentimento é só relativo, pois em pouco tempo é intriga
Criamos nossas relações
Mas não passa de reação química
Construí uma casa e abriguei
Em cada quarto o que um dia odiei
Na janela percebo os olhares
Enquanto estou preso em correntes que eu mesmo criei

Na porta ecoam barulhos e gritos
Daqueles que fingem ter conexão
Semblante tão pálido como minha alma
Mas não por tristeza, mas aceitação
O fim justifica o meio, a definição de correto
Eles não percebiam
Esqueceram que nunca me deveram nada
Apenas palavras vazias

Então me odeiem!
Ou será que as palavras também serão falsificadas?
A chave quebrei, a porta tranquei
Para que coloquem suas máscaras
Não passam de atores na peça
Onde sagram clamando em ser protagonistas
Show de facetas dessa sociedade
Mas as cortinas se abriram!

O ser humano é feito de faces trocadas
De acordo com seu dia-a-dia
Seja a face da felicidade ou do ódio
Todas são sempre mentira
A visão distorcida, castelo em volta do meu coração
Que se pôs
O adeus ao meu antigo eu, não importa
Você é quem é e não quem já foi

Quantas máscaras usei?
Quantas tomei, quantas fiz?
Com minhas mãos eu moldei
As grades que prendem-me

No semblante, a diferença me faz em frias pegadas
Refletem o que sentem, mas eu já não sinto nada
Sorrisos não aquecem, esquece, uso pra seguir
Nos trilhos, contramão, minhas mãos
Alcançam o que eu sempre quis

As máscaras que temos são nossa essência inteira
As máscaras da insegurança e do medo
Nunca foram belas
Mas sempre foram verdadeiras
A escolha que tenho é a fissura de um humano comum
A junção da bondade e do mal
Ser odiado é o que todos evitam
Mas aguentei por ser algo real

Elogios são encapuzados por uma beleza em miragem
Palavras são híbridos, ódio e amores
E sendo distintos apenas em sua quantidade
A mente humana foi adaptada
Pra que não sejamos metade
Isso é o prazer de usar as palavras
Pra termos superioridade

Me odeiem! pelo gosto doce desse sentimento
Que estão degustando
Pela visão de cortar uns aos outros
Só para assisti-los sangrando
Por minhas verdades não serem escondidas
Nem quando eu estou mentindo
Sorriram enquanto cuidavam da rosa
E no fundo a odiavam só por ter espinhos

Meu quarto é escuro, as portas trancadas
Os gritos cessaram
A perfeição que depende da concepção
De alguém solitário
Estão batendo de novo, não posso atender
Minha mão tá estática
São os meus sentimentos
Que estão me chamando
Hora de botar a minha máscara

No semblante, a diferença me faz em frias pegadas
Refletem o que sentem, mas eu já não sinto nada
Sorrisos não aquecem, esquece, uso pra seguir
Nos trilhos, contra-mão
Minhas mãos alcançam o que eu sempre quis

Ficha Técnica da Música Máscaras!

Na tabela abaixo você vai encontrar dados técnicos sobre a letra da música Máscaras! de OSteve.

Número de Palavras 464
Número de Letras 3584
Intérprete OSteve

Análises de Significado da Letra da Música Máscaras!

Nenhuma análise de significado de letra publicada para esta música.

Amazon Music Unlimited