Artista: Indolentes Pés de Abóbora

Letra da Música Comoção de Indolentes Pés de Abóbora

< Indolentes Pés de Abóbora

Como tu faz a ciência se não existe um Sujeito?
Banana, prego, martelo, minha vida é meu direito
Trabalho escravo que paga teu luxo e minha navalha
Sangram os olhos e o peito enquanto a elite gargalha

Corrido, caçado, preso, me veiculam ileso
Eu roubo, fujo, te drogo; minha culpa é teu desprezo
O que tu diz o teu cocho: meu prato-feito de resto
Da gema nobre, inocente, reflexo deste excesso

Por tu que muda o mundo acomodado, sentado
Eu, mudo, colo e engraxo na esteira do teu mercado
Gringo, loirinho, o intercâmbio, tudo que é importado
Mas quando é pobre ou preto, um sírio refugiado
Tu finge que não escuta, não vê e fica calado
Não importa o quanto tu grita, protesta contra o Estado
Se o que mesmo te afeta é o capital privado

E eu, sujeito normal, produzo e fico calado
Tu diz drogado, eu não tô; eu só tô assujeitado
Por todos ratos e carros que abrigam este congresso
Se isso é o democrático, eu que não quero progresso

Ficha Técnica da Música Comoção

Na tabela abaixo você vai encontrar dados técnicos sobre a letra da música Comoção de Indolentes Pés de Abóbora.

Número de Palavras 155
Número de Letras 948
Intérprete Indolentes Pés de Abóbora

Análises de Significado da Letra da Música Comoção

Nenhuma análise de significado de letra publicada para esta música.

Amazon Music Unlimited